Appui Scientifique et Technologique pour le Sport
Compra por telefono

Veuillez nous excuser. Le présent document n'existe pas dans votre langue.

Lactato em Medicina Desportiva

Medição do ácido láctico em medicina desportiva

É necessária uma energia suficiente para uma actividade muscular efectiva. Esta acção passa-se nas células dos músculos, através do uso e produção do ATP (trifosfato de adenosina). O ATP existe apenas em pequenas quantidades e é consumido rapidamente durante o exercício e deve ser substituído através do metabolismo aeróbio ou anaeróbio. Quando o corpo está em repouso ou com um baixo nível de actividade, o ATP auto-regenerase principalmente através do metabolismo aeróbio. A níveis de actividade muscular mais elevados, a energia é fornecida de modo crescente sem recurso ao uso de oxigénio, mas sim através do metabolismo anaeróbio. O ácido láctico é produzido através do metabolismo anaeróbio (glicólise). Os níveis de esforço podem ser aumentados desde que o ácido láctico seja consumido à mesma velocidade que é produzido (estado estacionário). Contudo, a determinada altura, dependendo das condições do indivíduo, a quantidade de ácido láctico nos músculos e no sangue começa a aumentar.

Irá ser produzido pelo metabolismo aeróbio mais ácido láctico do que é consumido. O ponto em que o ácido láctico se começa a formar é referido como Estado Máximo de Ácido Láctico Estável (maxlass), ou Limiar Anaeróbico. Muitos peritos em medicina desportiva acreditam que o treino de resistência é mais eficiente quanto é feito próximo do Estado Máximo de Ácido Láctico Estável (maxlass). Outros acreditam que o treino é mais eficiente quando a maior parte deste é praticado a um ritmo muito abaixo deste nível de esforço e em pequenas partes bastante acima deste. Em qualquer dos casos, os níveis de ácido láctico são necessários para determinar os ritmos próprios do treino.

Para um treino aeróbio com sucesso, a mitocôndria das células aumenta e alarga, isto aumenta a capacidade aeróbia ou a capacidade de produzir oxigénio para reabastecer o ATP. As células musculares tornam-se mais eficientes quando produzem energia pelo metabolismo aeróbio em níveis elevados de esforço, queimando gorduras assim como hidratos de carbono. Isto permite ao atleta maximizar o efeito do treino e melhorar a performance.

Inversamente, treinos excessivos e/ou desadequados, que são muitas vezes observados em atletas amadores, provocam valores altos do ácido láctico, acima do limiar anaeróbio:As células musculares, acidificam de tal modo que a eficiência das áreas musculares em questão diminui rapidamente e as mudanças estruturais desejadas no tecido muscular dificilmente ocorrem.Isto pode resultar numa extensa ineficácia do treino, redução do desdobramento de gorduras e, em casos extremos, em prejuízo para a saúde. Só os treinos programados e saudáveis levam aosucesso efectivo. O primeiro passo para medir o ácido láctico é fazendo o teste por fases, onde o ácido láctico é medido várias vezes em níveis de esforço graduais desde o repouso até ao máximo esforço (alguns protocolos dos testes de fases param pouco antes do máximo). Estes testes são por vezes chamados de testes de exercício progressivos ou graduais. O teste servirá como um marco e como uma estimativa do limiar anaerótico. Ao longo do tempo, a forma e direcção da curva do ácido láctico irá ser usada para determinar os melhores ritmos do treino e para determinar se o treino está ou não a ir ao encontro dos objectivos de performance.

Um nível médio de repouso é entre 0.9 e 2.0 mmol/l. O valor usual de maxlass é de 4 mmol/l. Dependendo das condições do indivíduo e da relação entre o metabolismo aeróbio e anaeróbio, o maxlass individual, o limiar do anaeróbio do indivíduo (IAT) pode ser entre 2.5 - 6.0 mmol/l. O valor individual de limiar anaeróbico pode ser calculado usando o teste do ácido láctico.